Segunda-feira, 20 de Abril de 2009
Onde compraremos o pão?

Sendo eu católica (não praticante), estremeci ao ouvir a noticia de o Papa Bento XVI disse durante a sua viagem oficial ao continente africano, que a Sida não se combate só com dinheiro «nem com a distribuição de preservativos que, ao contrário, aumentam o problema». Esta afirmação foi condenada por muitos católicos  e não católicos crescendo a polémica sobre o tema da sexualidade, que a meu ver, continua a ser  tabu para a Igreja Católica.  Nunca fui uma frequentadora assídua da igreja, contudo, sempre que o faço sinto uma enorme paz e, é com muita pena que  vejo que, devido a estas tomadas de atitude, há cada vez mais gente afastada da Igreja. Chocam-me os ideais da igreja católica acerca deste e de outros assuntos. Chega a ser angustiante que sabendo o poder que a igreja tem sobre certos fieis dedicados que respeitando os princípios do Vaticano, não utilizam preservativo. Este não é um problema de moral…é uma realidade da Humanidade.

Mas comecei para aqui a divagar e o meu objectivo inicial era exactamente o oposto. Queria partilhar com todos vocês a alegria que senti ao ler a noticia de  que o arcebispo de Nápoles, cardeal Crescenzio Sepe, oferecerá o salário de um ano e parte de suas economias pessoais para colocar em andamento o fundo de um banco diocesano que concederá microcréditos a pessoas necessitadas. Na sua carta pastoral,  explica que a iniciativa pretende responder à crise actual e concretamente a «emergências de jovens desempregados e daqueles que perderam ou vão perder seus postos de trabalho». 

Como afirmou o Arcebispo Sepe,  a globalização dos mercados  não trouxe uma maior prosperidade e riqueza para todos, mas, ao invés disso, globalizamos a pobreza». Esta atitude mostra um empenhamento na causa dos desfavorecidos…esta deveria ser a missão da Igreja, depois da divulgação da palavra de Deus. Seria a demonstração da fidelidade a Cristo. Se todos, clérigos ou não, doassem um pouco do que têm a mais, se compartilhássemos o pão, se distribuíssemos fraternidade e solidariedade, estaríamos, certamente, a seguir a palavra de Deus e a contribuir para que os idosos, desempregados e os mais desfavorecidos, tenham o seu pão no momento em que a economia não oferece oportunidades.

 



Publicado por bitu às 22:27
link do post | comentar

5 comentários:
De Maria Papoila a 21 de Abril de 2009 às 00:05
Querida Bitu.
lamentável que aquele que deveria ser o Pastor máximo da Igreja, o Santo padre proferisse essa "barbaridade" em África justamente o continente mais flagelado pela SIDA. Mas na Igreja também há bons pastores que interiorizam e exteriorizam concretamente os proncipios humanistas da sua Fé. Louvável a decisão do arcebispo Sepe,
Beijos


De TiBéu ( Isa) a 21 de Abril de 2009 às 09:39
Eu nem comento amiga, Nem sei que pensar, ou melhor eu sei o que pensar, mas por vezes parece que custa a ouvir tudo isto. Obrigada por teres estado no meu cantinho e um beijinho com muita amizade. bj gr


De Cöllyßry a 23 de Abril de 2009 às 19:08
Olá querida, pois é, quando assim dizem, é de dizer pedoa-les PAI pois eles não sabem o que fazem...

Como vais? o endereço novo não estava completo...
Eu tirei os comentários no blo, mas pode faze-lo no livro de visita ok...

Fica bem, terno beijo


De Sindarin a 23 de Abril de 2009 às 20:59
Querida amiga! se todos dessem um pouco ñ havia fome nem kiséria, mas os ricos continuam surdos e são os pobres k ainda vão ajudando outros tão pobres ou mais que eles. Deus ilumine o coração dos humens e ñ permita mais desemprego nem injustiça. Um milhão de beijos para ti e para a Carolina k deve estar linda.


De Sandra e Betty a 24 de Abril de 2009 às 17:19
Oi Bitu, obrigada pela visita que muito nos alegrou e retribuimos com prazer. Sera sempre bem-vinda, ok?Gostamos muito de seu blog e te oferecemos nosso award com prazer. Um bom final de semana. Beijos


Comentar post


.:Madrinha ISA(SINGULARIDADES):.